Análise Imuno-Histoquímica de PD-L1

O PD-L1 é um biomarcador utilizado clinicamente com foco de investigação na área do câncer. Sua expressão nas células tumorais pode condicionar a atividade das células T pela ligação ao PD-1 no microambiente tumoral.

Com efeito, o PD-L1 tem grande importância na seleção de doentes com câncer de pulmão de células não pequenas (CPNPC). A avaliação PD-L1 é um indicador fundamental para a análise de candidatos à imunoterapia do câncer.

Desse modo, a verificação por imuno-histoquímica (IHQ) evidencia a ocorrência da expressão PD-L1 em vários níveis nas células tumorais de processos neoplásicos, como:

 

  • Câncer de pulmão de células não pequenas;
  • Melanoma;
  • Carcinoma de células renais;
  • Bexiga;
  • Cabeça e Pescoço;
  • Cervical;
  • Gástrico;
  • Esofágico;
  • Mama;
  • Ovários;
  • Glioblastoma multiforme, entre outros.

 

Valor preditivo de PD-L1

Em neoplasias, a expressão imuno-histoquímica de PD-L1 tem sua validação comprovada por estudos clínicos, sendo seu valor preditivo destacado em resposta aos tratamentos terapêuticos anti-PD-1.

Dessa maneira, a análise PD-L1 na membrana das células tumorais, assim como seus receptores, está associada à sobrevida de pacientes submetidos a certos tipos de terapia medicamentosa.

Para que essa interpretação seja realizada, o patologista qualificado segue o protocolo do kit de detecção, valendo-se do uso de imunocoloração automatizada.

 

Importância da expressão PD-L1

No exame imuno-histoquímico, o anticorpo monoclonal SP263 (Ventana) destina-se ao uso laboratorial para detecção da proteína PD-L1. A amostra do tecido é fixada em formalina, em bloco de parafina.

Entretanto, a disponibilidade do tecido pode ser uma limitação para a análise de alguns tipos de câncer. Há a necessidade de otimizar a aquisição e o processamento das amostras teciduais para que o uso do biomarcador PD-L1 seja responsivo na análise laboratorial.

O resultado do exame imuno-histoquímico para PD-L1 é baseado na porcentagem de área tumoral ocupada por células imunes infiltrantes de tumor expressando PD-L1 de qualquer intensidade, além da porcentagem de células tumorais que expressam PD-L1 de qualquer intensidade, sobretudo dentro do contexto clínico.

Assim sendo, a verificação do PD-L1 reforça a validação do exame laboratorial para a sinalização de neoplasias, principalmente em carcinoma urotelial e carcinoma de não pequenas células de pulmão (CNPC).

 

REFERÊNCIA

Diggs LP, Hsueh EC. Utility of PD-L1 immunohistochemistry assays for predicting PD-1/PD-L1 inhibitor response. Biomark Res 2017; 5:12. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed?db=PubMed&cmd=Retrieve&list_uids=28331612>. Acesso em: 24/04/2018

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer participar?
Deixe um comentário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *